Clique e assine com 88% de desconto

Bovespa e dólar têm leve alta em dia de saída do PMDB do governo

Bolsa avançou 0,62% e moeda americana subiu 0,34% com investidores atentos à cautela do BC americano em elevar juros e ao desembarque do PMDB do governo Dilma

Por Da Redação - 29 mar 2016, 18h16

O dólar e a Bovespa terminaram em leve alta nesta terça-feira, com o mercado reagindo a menores expectativas de altas de juros nos Estados Unidos e à oficialização do rompimento do PMDB com o governo.

A moeda americana terminou em alta de 0,34%, a 3,63 reais na venda, sustentada pela atuação do Banco Central. O resultado ficou distante da máxima do dia, de 3,67 reais. A divisa já havia recuado 1,51% na véspera em antecipação ao desembarque do maior partido da base aliada.

“O BC está sinalizando que quer conter a desvalorização do dólar, que vai agir quando o dólar cair demais”, disse mais cedo o operador da corretora Correparti Ricardo Gomes da Silva. Pela manhã, a autoridade monetária vendeu 19.520 contratos dos 20.000 ofertados, impulsionando o dólar às máximas do dia.

Já o Ibovespa fechou em alta de 0,62%, a 51.154 pontos, após a presidente do banco central americano, Janet Yellen, afirmar que o Federal Reserve deve seguir cauteloso com a alta de juros nos EUA. Na máxima, subiu 1,8%, a 51.764 pontos.

Continua após a publicidade

O quadro político doméstico seguiu sob os holofotes, com o principal índice da bolsa paulista renovando a máxima da sessão após o PMDB oficializar sua saída da base aliada do governo da presidente Dilma Rousseff. Em contrapartida, a confirmação do desembarque fez o dólar reduzir os ganhos.

Muitos operadores entendem que a saída do PMDB aumenta as chances do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Essa perspectiva é vista com bons olhos por muitos investidores, mas alguns ressaltam que as turbulências políticas tendem a afetar a confiança.

Leia mais:

Aneel cobrará R$ 6,25 bi do Bertin por descumprimento de contratos

Continua após a publicidade

Fed deve ajustar com moderação sua política monetária, diz Yellen

(Com Reuters e Estadão Conteúdo)

Publicidade