Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Vítima de estupro coletivo no Rio critica delegado: ‘Tentaram me incriminar’

Em entrevista ao programa "Fantástico", da TV Globo, a jovem de 16 anos disse acreditar que foi dopada

Em entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo, a jovem vítima de estupro coletivo no Rio disse acreditar que foi dopada, que não usou drogas e que nunca havia sido vítima de violência sexual. A garota contou que, quando acordou, “tinha um menino embaixo de mim, um menino em cima e dois me segurando”. “Tinha muitos homens, fuzil, pistola, a casa muito suja, eu muito suja também”, lembrou. Ao se dar conta da situação, disse que começou a chorar, enquanto o bando de estupradores a xingava de “vagabunda” e “piranha”. A adolescente afirmou que voltou para a casa e não pensou em relatar o crime para ninguém por “vergonha”.

Leia também:

A cultura do estupro e a cultura do silêncio: VEJA quer ouvir sua história

A jovem também fez críticas à condução do caso pelo titular da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI), Alessandro Thiers. “Tentaram me incriminar”, disse. Segundo contou, foi chamada a prestar seu depoimento sobre o caso em uma sala envidraçada, na presença de três homens, vendo expostas todas as obscenidades que a quadrilha registrou e espalhou nas redes. Ela disse que foi instada a responder se “tinha o costume de fazer isso” e “se gostava”, ao que reagiu pedindo para interromper o depoimento.

Leia também:

Família de garota vítima de estupro dispensa advogada e aciona programa de proteção

Neste domingo, a polícia do Rio transferiu a condução do inquérito da DRCI para a Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV), comandada pela delegada Cristiana Bento. Em nota, a polícia informou que a transferência do inquérito “visa a evidenciar o caráter protetivo à menor vítima na condução da investigação, bem como afastar futuros questionamentos de parcialidade no trabalho”. Cristina já acompanhava o caso, mas não era a responsável direta pela investigação. “A Delegada Cristiana está analisando as provas colhidas até o momento no inquérito policial, incluindo depoimentos e outras diligências realizadas pela Polícia Civil, definindo os próximos passos da investigação”, diz comunicado.

Na entrevista ao Fantástico, a jovem se mostrou assustada com a repercussão do caso, disse que tem sofrido ameaças de morte e que mal pode sair de casa. Falou que estão circulando áudios forjados e montagens fotográficas para difamá-la, que se sente revoltada com quem atribui a ela a responsabilidade pelo estupro e que quer esquecer o caso. Finalmente, a reportagem da TV Globo quis saber o que a garota deseja para seus algozes: “Sinceramente? Uma filha mulher.”

(Da redação)

Member of The Internet Defense League