Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Suspeito de estupro pode ser solto com saída de vítima do Rio, diz delegada

A delegada Cristiana Bento pretendia fazer uma acareação entre a adolescente e os suspeitos presos, mas, segundo ela, a mudança da jovem impossibilita isso

A saída do Rio da adolescente C.B., de 16 anos, vítima do estupro coletivo, está prejudicando as investigações sobre o caso. A delegada Cristiana Bento, que apura o crime ocorrido em uma favela carioca, lamentou a decisão dos governos federal e estadual de retirá-la do Estado. Por identificar contradições nos dois depoimentos prestados pela jovem, a delegada pretendia interrogá-la mais uma vez e acareá-la com os três suspeitos presos. Sem ela, ao menos um dos acusados pode ser solto.

“As versões [da vítima e dos acusados] são muito desencontradas. Não posso mais ouvir a jovem. Isso dificulta as coisas. Novas informações chegaram e eu não tenho como esclarecê-las com ela”, afirmou. Segundo a delegada, nos depoimentos, a vítima não se refere a alguns suspeitos como estupradores. Entre eles, Lucas Perdomo Duarte dos Santos, o Luquinhas, de 20 anos, e Raí de Souza, de 22 anos, presos desde segunda-feira.

Leia mais:

A cultura do estupro e a cultura do silêncio: VEJA quer ouvir sua história

Estupro de jovem de 16 anos no Rio “está provado”, diz delegada

Luquinhas, jogador de futebol, foi preso porque estaria perto do local do crime, no Morro da Barão, e acompanhou a vítima em um baile funk antes da agressão sexual. Sem a acareação, ele pode ser solto nesta quinta-feira. Raí está preso porque as imagens divulgadas nas redes sociais foram filmadas por seu celular.

As diferentes versões apresentadas por Luquinhas, Raí e Raphael Duarte Belo, de 41 anos, suspeito que se apresentou nesta quarta-feira à polícia, levaram a delegada a decidir acareá-los. “Quero esclarecer isso. Vou botar um de frente para o outro. As versões estão desencontradas. Mas ninguém admite o estupro”, afirmou Cristiana.

O secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, Paulo Melo, afirmou que a jovem estava ameaçada de morte e correria risco se ficasse no Rio. “Não há garantia de que conseguiríamos dar a proteção adequada se ficasse no Rio. A menina estava ameaçada, com medo. A ida [para fora do Estado] não quer dizer que ela não possa colaborar com as investigações”, afirmou Melo, para quem a Defensoria Pública, que atende a vítima, tem como fazer o contato entre ela e os investigadores. A jovem foi incluída no Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte (PPCAAM), do governo federal, na última segunda.

Antes de se entregar à polícia, Belo encaminhou uma carta à ex-cunhada, que foi publicada na página Jacarepaguá Notícias na rede social Facebook. No texto, ele afirma que não estuprou a menor. O suspeito diz que apenas socorreu a vítima e a ajudou a voltar para casa.

(Com Estadão Conteúdo)

Member of The Internet Defense League