Clique e assine com 88% de desconto

Procuradoria solicita inquérito à PF para investigar secretário de Comunicação

Suspeitas envolvendo Wajngarten seriam, na avaliação do MPF, corrupção, peculato e advocacia administrativa 

Por Agência O Globo - 28 jan 2020, 09h01

BRASÍLIA – O Ministério Público Federal solicitou à Polícia Federal a abertura de inquérito para apurar suspeitas de corrupção, peculato(desvio de dinheiro público) e advocacia administrativa envolvendo o chefe da Secretaria de Comunicação Social (Secom) do governo federal, Fábio Wajngarten.

O pedido foi feito pelo procurador Frederick Lustosa, da Procuradoria da República no Distrito Federal, com base em representações recebidas pelo órgão. A solicitação foi revelada hoje pelo jornal “Folha de S.Paulo” e confirmada pelo GLOBO. O caso será conduzido sob sigilo.
A investigação vai mirar suspeitas de irregularidades no fato de a empresa do chefe da Secom manter contratos com emissoras de televisão e agências de publicidade que recebem verbas do governo federal.

Reportagem da “Folha de S. Paulo” mostrou que Wajngarten, mesmo depois de assumir a Secom, permaneceu com 95% das cotas da FW Comunicação e Marketing. A empresa recebeu, no ano passado, R$ 9.046 mensais da Band (aproximadamente R$ 109 mil por ano) por serviços que incluem estudos sobre anunciantes do mercado e a checagem se peças publicitárias foram de fato veiculadas.

Em 2019, do dia em que Wajngarten assumiu a função até o fim do ano, a Band recebeu do governo federal 12,1% da verba de publicidade destinada às emissoras abertas, de acordo com a reportagem. No ano anterior, a fatia da emissora havia sido de 9,8%.
A empresa também recebeu repasses da Record, em valores não revelados.

Continua após a publicidade

Em pronunciamento que fez sobre o caso, Wajngarten afirmou que se afastou da gestão da empresa e nomeou um admistrador antes de ser nomeado para o cargo na gestão Bolsonaro. Segundo ele, o processo foi feito a partir de orientações da Secretaria de Assuntos Jurídicos (SAJ) e da Comissão de Ética da Presidência.

— Eu não tenho absolutamente nada a esconder, à época da minha nomeação foi orientado, foi ordenado, que eu saísse do quadro da gestão da FW Comunicação e Marketing, atitude esta imeditamente cumprida e vistoriada pela SAJ e pela Comissão de Ética — afirmou o secretário, que encerrou o pronunciamento sem responder questões dos repórteres.

Publicidade