Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Justiça determina soltura de suspeito de estupro no Rio

Primeiro que havia se entregado à polícia, o jogador Lucas Perdomo convenceu os investigadores de que não estava na casa no momento em que a jovem foi violentada

A Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (Dcav) pediu a prisão de mais dois homens e a revogação da prisão temporária de um dos suspeitos do estupro coletivo cometido contra a menor C. B. de 16 anos no Morro da Barão, em Jacarepaguá, no Rio. A Justiça acatou o pedido da delegacia na noite desta quinta-feira.

Três dias após se entregar, Lucas Perdomo, que é jogador do Boavista (clube da primeira divisão do futebol carioca), prestou depoimento e convenceu os investigadores de que não estava na casa no momento em que a adolescente foi violentada.

O pedido foi feito pela delegada Cristiana Honorato e o promotor Márcio Nobre opinou favoravelmente. “Ele continua sendo tratado como envolvido, mas não há mais necessidade de mantê-lo preso”, afirmou a delegada. Agora, o juiz Ailton de Vasconcelos, da 2ª Vara Criminal de Jacarepaguá, é quem vai decidir se solta o rapaz. Os dois novos nomes que surgiram como suspeitos de terem estuprado a jovem são envolvidos com o tráfico. Site de VEJA apurou que um deles é Moisés Camilo de Lucena, conhecido como Canário, e o apelido do outro é Jefinho.

A delegada já havia dito que Lucas poderia ser solto por não ter sido identificado como um dos estupradores pela vítima. Apontado por ter um relacionamento com a adolescente, Luquinhas, como é conhecido, foi preso por estar perto do local do crime e por ter acompanhado a menor em um baile funk antes da agressão sexual. O suspeito encontra-se no Complexo de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste da cidade.

A garota deixou o Rio de Janeiro com a família após entrar no programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Mortes. Ela teria sido jurada de morte por traficantes do Morro da Barão. A delegada se queixou de que a saída dela do Estado pode atrapalhar as investigações por não poder mais interrogá-la sobre pontos conflitantes dos depoimentos dos suspeitos.

Marcelo Miranda da Cruz Correa e Michel Brazil da Silva, suspeitos de divulgarem as imagens da vítima na internet, e o gerente do tráfico do Morro da Barão, Sérgio Luiz da Silva Junior, conhecido como Da Rússia, tiveram a prisão decretada pela Justiça, mas permanecem foragidos.

Leia também:

A cultura do estupro e a cultura do silêncio: VEJA quer ouvir sua história

Member of The Internet Defense League