Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Foi para matar’, diz ouvidor da PM sobre morte de menino

Para o ouvidor Julio Cesar Fernandes Neves, os policiais cometeram falhas na abordagem dos dois garotos que roubaram um carro na Zona Sul de São Paulo

O ouvidor da Polícia Militar de São Paulo, Julio Cesar Fernandes Neves, afirmou ao site de VEJA que, na sua opinião, os policiais militares que dispararam contra o carro furtado da marca Daihatsu, que era conduzido por um menino de dez anos, dispararam “para matar”. O menino morreu no local. A ouvidoria pediu nesta sexta-feira uma investigação na Corregedoria da instituição para apurar a ação dos policiais.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, dois meninos de 10 e 11 anos roubaram um carro que estava estacionado dentro de um condomínio e dirigiram por 300 metros. Nesse trajeto, foram perseguidos por policiais militares em patrulha e colidiram com um ônibus e um caminhão. De acordo com as autoridades, o menino de dez anos estava ao volante e simultaneamente disparou três vezes contra os policiais, que revidaram – o tiro que atingiu seu olho esquerdo foi fatal.

A Ouvidoria da PM argumenta, contudo, que um menino franzino dessa idade não teria capacidade para dirigir o carro e atirar simultaneamente. “Se havia uma arma, o que também precisa ser investigado, é grande a possibilidade de o menino não ter atirado, como estão alegando. Como um menino de 10 anos chegou dirigindo e atirando?”, questionou. “É preciso ver se tem resíduo de pólvora na mão, ver onde a arma foi encontrada”, completou. O ouvidor também quer investigar porque, apesar de o crime ter ocorrido por volta das 19 horas de quinta, o boletim de ocorrência foi registrado apenas à 00h30 desta sexta-feira.

A falha, na opinião, de Neves, “é uma tendência dos policiais mais jovens”, como os que atuaram na ação que resultou na morte da criança. Participaram da perseguição três policiais militares, sendo dois de 25 anos e um de 30 anos de idade. “Os mais novos têm menos experiência de rua, a adrenalina é maior, mas essa não é a única razão para a falha”, disse o ouvidor. “A Ouvidoria tem reivindicado muito com a Corregedoria da Polícia Militar que todo policial use o Método Giraldi (tiro defensivo para proteger a vida). Para ele, se os policiais tivessem tido paciência, o “equívoco” teria sido evitado. Além do uso contido do revólver, o método recomenda que o tiro seja disparado nos membros inferiores, para imobilizar o suspeito. “Os policiais atiraram na cabeça. Lógico que foi um tiro para matar.”

Member of The Internet Defense League