Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Advogado-geral da União nega que será demitido

Fábio Medina Osório reagiu, em nota, às notícias de que seria demitido devido a embaraços na sua gestão à frente da AGU

O advogado-geral da União, Fábio Medina Osório, disse não passarem de “ilações” as notícias de que teria aborrecido o presidente em exercício, Michel Temer, e corria o risco de ser demitido do cargo.

Em nota, a assessoria de imprensa de Medina diz que “apesar das ilações equivocadas sobre sua atuação, ele permanece trabalhando na defesa do Estado Brasileiro e dos atos do presidente da República, sempre com responsabilidade, equilíbrio, seriedade e transparência”.

A nota foi enviada após jornal O Globo revelar neste sábado que o presidente interino Michel Temer teria decidido demitir Medina por uma série de trapalhadas reveladas pela coluna do Radar, de VEJA.

No texto, a assessoria do AGU rebate a informação de que ele teria adotado uma estratégia errada no caso da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), cuja presidência foi devolvida a Ricardo Melo, na última quinta-feira, por meio de uma liminar concedida pelo ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo a nota, não caberia a ele elaborar uma manifestação ao Supremo, pois nesse caso a AGU teria de atuar com distanciamento. “É importante ressaltar, ainda, que os magistrados atuam com total isenção e independência.”

A assessoria também diz que, ao “contrário do que foi divulgado por parte da imprensa, não ocorreu qualquer tipo de embaraço na requisição dos serviços da FAB para o cumprimento de agenda pública e oficial em Curitiba esta semana”.

O texto sustenta que o advogado-geral da União tem status de ministro de Estado e, por isso, tem prerrogativa legal para solicitar transporte aéreo. Na reforma ministerial idealizada por Temer, porém, a AGU perderia tal prerrogativa.

Segundo assessores palacianos, os problemas começaram assim que Medina assumiu o cargo. Sem consultar Temer ou Padilha, o AGU questionou a atuação do seu antecessor, José Eduardo Cardozo, na defesa da presidente afastada Dilma Rousseff, na fase inicial do processo de impeachment. Abriu, assim, uma frente de batalha que o governo considerava desnecessária, naquele momento.

“Ele ficou deslumbrado com o cargo e agiu de forma indevida em muitos casos”, comentou um interlocutor do Planalto ao lembrar que até os servidores da própria AGU já fizeram chegar à presidência inúmeras críticas a ele, pelas suas ações. “Está ficando muito difícil de conviver com ele”, emendou outro assessor palaciano. “A sua situação está extremamente delicada”, acentuou.

(Com Estadão Conteúdo)

Member of The Internet Defense League