Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O atleta branco daquela foto

O pódio dos 100 metros borboleta no Rio foi uma farra. Michael Phelps, o sul-africano Chad Le Clos e o húngaro Laszlo Cseh dividiram a medalha de prata. Foi a primeira vez na história das olimpíadas. O ouro foi de Joseph Schooling, de Cingapura – na infância, ele adorava Phelps, com quem tirou uma foto que hoje roda o mundo. O trio cravou 51s14. O feito chegou a ofuscar o campeão e produziu muita piada. “Todo mundo quer dividir o pódio com Phelps, e o que aconteceu hoje foi realmente demais”, disse Cseh, que ao subir no pódio, deu as mãos para os dois nadadores a seu lado e juntos ergueram os braços. “Acho que foi ideia do Chad. Foi fantástico, temos uma longa história juntos e foi legal fazer isso”, concluiu Cseh. O americano perdeu sua primeira prova em águas cariocas. “Fiz o que pude fazer. Dormi menos de dez horas na noite passada”, disse. “Foi realmente selvagem. Olhei para um lado e tinha o Chad. Olhei para o outro e tinha o Laszlo”. E assim foi lá em cima do pódio.

Pódios são momentos marcantes de qualquer olimpíada, e esse da piscina do Parque Olímpico da Barra já é indelével. Mas nenhum se compara ao pódio dos 200 metros rasos do México, em 1968, numa das mais conhecidas imagens do século XX. Tommie Smith e John Carlos, ouro e prata, ergueram os punhos em nome dos Panteras Negras. Foram punidos porque o Comitê Olímpico Internacional proíbe política nas cerimônias. O protesto dos dois negros americanos ofuscou o único personagem branco daquela cena. Seu nome: Peter Norman, australiano. A Austrália, naquele tempo, era um país de leis de segregacionismo tão rigorosas como as da África do Sul. Havia protestos nas ruas contra a mão dura do governo na defesa de leis discriminatórias que atingiam sobretudo os aborígenes. Smith e John Carlos perguntaram para Norman, antes do momento seminal, se ele topava dividir a cena que, anteviam, faria mais barulho que as medalhas. “Sabíamos que aquilo que íamos fazer era de longe maior do que qualquer feito atlético e ele disse: ´estou com vocês´´”, recordaria John Carlos. “Esperávamos ver receio nos olhos de Morman, mas em vez disso vimos amor.”

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s